A perda de audição em idosos aumenta a possibilidade de depressão?

A perda da audição na terceira idade faz parte do processo degenerativo relacionado ao envelhecimento, esta alteração é chamada de presbiacusia.  A partir 50 anos ou 60 anos, a pessoa passa a não ouvir com a mesma perfeição de quando tinha 20 anos, devido à morte de algumas células auditivas. 

Segundo a Organização Mundial de Saúde (OMS), um terço das pessoas acima de 65 anos têm dificuldades para ouvir e o número aumenta quando eles atingem os 75, já que quase metade dos idosos nesta faixa etária têm o problema.

Dados da Associação Brasileira de Otorrinolaringologia apontam que as pessoas demoram cerca de sete anos para procurar um especialista após perceberem algum dano à audição e ainda levam mais dois anos para escolher um tratamento. Esse descuido pode levar à surdez definitiva.

A presbiacusia tem um enorme impacto sobre a qualidade de vida de milhões de indivíduos idosos, e está se tornando um transtorno cada vez mais comum com o envelhecimento da população. A perda auditiva quando não tratada a tempo pode causar sérias consequências, como a depressão e a exclusão social. 

Para evitar esse problema, os familiares devem ficar atentos a alguns sinais a fim de identificar possíveis falhas de audição e poder ajudar.

Sinais da perda auditiva

  • Aumento ou diminuição no volume da fala;
  • Dificuldade de acompanhar conversas em grupo;
  • Pedir as pessoas para repetirem o que disseram;
  • Dificuldade de ouvir as pessoas quando estão distantes;
  • Se excluem socialmente;
  • Aumento de volume da televisão e rádio com frequência;
  • Dificuldade para falar ao telefone ou celular;
  • Zumbido no ouvido.

Agora você deve estar se perguntando, mas o que a surdez tem a ver com depressão? Vamos explicar melhor.

Situações que levam a depressão

Antes de mais nada, vale ressaltar que a perda auditiva em si não é a principal causadora da depressão, mas sim os conflitos internos e externos de cada indivíduo que a possui que podem fazer surgir outros problemas de saúde ligados ao cérebro como depressão, Alzheimer, demência, entre outros.

As alterações de humor, os altos e baixos em lidar com o problema da surdez e as dificuldades do dia a dia podem levar os idosos, a uma tristeza e uma falta de aceitação e ajustamento, provocando um declínio na autoestima e sentindo-se excluído da sociedade.

Muitas vezes, o idoso finge estar escutando, quando na verdade não está. É comum, por isso, seus familiares o descreverem como distraído, confuso ou até zangado e irritadiço.

A limitação que a pessoa idosa sente para fazer o que gosta em coisas simples, como assistir TV, ir ao cinema e participar de reuniões familiares, por exemplo, são as principais causas da depressão e do isolamento por meio da surdez.

Apoio familiar

É importante que a família ajude e incentive o idoso a procurar um médico especialista que possa indicar o melhor tratamento para cada caso. Os aparelhos auditivos possibilitam, desde que adequadamente ajustados, uma melhor percepção dos sons, apesar de não solucionarem todos os problemas relacionados ao envelhecimento da função auditiva.

Para lidar com o paciente da melhor forma possível, é preciso que as pessoas mais próximas a ele, aprendam a lidar com a deficiência auditiva, compreendem como funciona a audição no idoso e como favorecer a comunicação.

Como se comunicar melhor com o idoso com perda auditiva:

  • Não é necessário falar alto ou gritar. Tente falar em um volume audível e de maneira clara e articulada e utilize vocabulário conhecido.
  • O ruído atrapalha! Para conversar, observe se existem sons competindo com a fala. Se existir, desligue televisão, rádio.
  • De preferência, fale de frente e pausado para que o idoso possa compreender o que se fala e em ambiente iluminado para favorecer a visualização da fala além da audição.
  • O ideal é falar um de cada vez e sempre chamar a atenção do idoso antes, seja pelo seu nome ou com um simples toque no braço.
  • Dê o contexto. Se perceber que o idoso não está conseguindo acompanhar a conversa forneça o contexto, assim ele terá mais facilidade com o vocabulário. Diga por exemplo: Estamos falando sobre o encontro de ontem.
  • Além de todas estas dicas, doses de amor e paciência muitas vezes são necessárias para manter a harmonia e tornar a convivência feliz.

Informação importante essa, né? Continue nos acompanhando e compartilhe com os amigos!

A Senior Showroom pensa em cada detalhe do seu dia!

Agora que você já sabe a relação entre surdez e depressão, leia também.

Como a Tecnologia Assistiva pode contribuir para o bem-estar do idoso

Postado em